terça-feira, 8 de março de 2011

Vento, me leva?

A dor, que é como afogar-se, e ao mesmo tempo como se o corpo todo estivesse em chamas, mas nem a água apaga o fogo e nem o fogo seca a água. Só o ar vai fugindo do peito, mais e mais, até não sobrar nenhum respiro, nenhum suspiro. Piro, fogo, que arde os olhos cheios de tanta água. E a dor não passa, devia passar, tinha que escoar, se esvair, queda d´àgua, mas sou eu que caio. Eu que estou me esvaindo, saindo de mim, o coração destroçado, os pedaços náufragos nesse mar revolto que nasceu no meu peito. Perdi o comando. E agora, apenas tripulante desse navio fantasma, sigo até a próxima ilha. Vou aonde o vento me levar.

4 comentários:

Andressa disse...

o coração destroçado, os pedaços náufragos nesse mar revolto que nasceu no meu peito.

Suzana Martins disse...

Vou até onde o vento está, entre brisas e horizontes...

Beijos

CARLA STOPA disse...

Fogo e água...A dialética da dor e do amor...

Long Haired Lady disse...

eu ficava ali, sentia doer, sentia que respirava e mais nada...

Postar um comentário