domingo, 14 de outubro de 2012

Resenha: Os Enamoramentos, Javier Marías.


“O que aconteceu é o de menos. É um romance, e o que acontece neles não tem importância, a gente esquece, uma vez terminados. O interessante são as possibilidades e ideias que nos inoculam e trazem através de seus casos imaginários (...)”

Essa afirmação, aparentemente estranha, se prova absolutamente real ao ler “Os Enamoramentos”, de Javier Marías. Já li vários livros dele, de muitos não lembro a história, mas a sensação depois de cada um é a mesma: inquietação, curiosidade, vontade de ler mais, de estudar mais, de viver mais. Claro que histórias são importantes num romance, e em “Os Enamoramentos” temos vários elementos de uma grande história: um casal aparentemente perfeito, uma morte súbita e violenta, um personagem que não é o que parece à primeira vista. Porém, o que me prendeu ao livro foi mais do que isso. Foi o que senti durante e depois da leitura. Porque há livros que nos fazem esquecer a vida, viajar, fantasiar. E há livros, como “Os Enamoramentos”, que nos fazem ler nossas próprias vidas, reconhecer nossos sentimentos, descobrir um pouco mais sobre quem somos, e sentir que não estamos sozinhos. Afinal, quem é que nunca se apaixonou? Ou melhor, se enamorou, que segundo Javier são coisas diferentes. O enamoramento do qual ele fala no livro é “(...) sentir um fraco, verdadeiro fraco por alguém, e que esse alguém produza em nós essa fraqueza, que nos torne fracos. Isso é o determinante, que nos impeça de ser objetivos e nos desarme perpetuamente e nos leve a nos render em todas as contendas (...)”.
Se você já sentiu isso, certamente vai se identificar com as “burrices” que Javier descreve, aquelas que só fazemos quando estamos desarmados - e desamados. Os questionamentos e afirmações que ele faz acerca do caráter mutável dos nossos sentimentos, e da impossibilidade de averiguar com acuidade as palavras e intenções do outro, traduzem algo que faz parte do nosso dia a dia sem que nos demos conta, mas basta ele falar para que percebamos como aquilo é real.          
Li a história de María, Miguel, Luisa e Javier traçando paralelos com a minha própria história o tempo inteiro. E é isso, mais do que qualquer coisa, que torna “Os Enamoramentos” um grande livro.  É um livro que é capaz de contar uma história que não é só aquela que está escrita, mas é mais ainda aquela que lemos, e aquela que se inscreve em nós. 

8 comentários:

Priscila disse...

Acompanhei os trechos pinçados com bastante critério, no seu Facebook. A resenha não poderia ser melhor. Ótima indicação de leitura.

Jason Jr. disse...

A coisa mais linda dos livros (uma de várias) e se reconhecer neles, a personalidade, nós sempre achamos trechos que nos lembram de nós mesmos. :D :D :D
Ótima semana mocinha!!! :D :D :D

Catia Bosso disse...

Que dica boa!!! Valeu!!

bjsMeus

Catita

Marcos Bassini disse...

Ótima resenha, viu? Sempre quis ler Javier Marias, talvez eu comece por este.

Fernanda Fraga disse...

Cá, já havia ouvid falar de Javier, mas não lida nada ainda, agora com esse fragmento aí e no facebook, deu inquietação de ler.
Bjos

Ana SSK disse...

Adorei a resenha, ainda não li Javier na fonte, apenas beberiquei das suas citações dele.

Nina disse...

Estou muito interessada nessa obra. Nunca li nada do autor, mas seus livros sempre me chamaram a atenção. Sobretudo "Os Enamoramentos", uma biografia de nossos sentimentos.
Abraços.

Meg Presser disse...

Acabei de ler "Os enamoramentos". Sua resenha é perfeita, Carina. Javier Marías mostra como tudo é tão subjetivo e como não existe uma verdade absoluta nem no caso de uma simples descrição de fatos. Tudo se dissolve no ponto de vista de quem analisa as situações. Abraços!

Postar um comentário